Quarta-feira, 22 de Setembro de 2010

A entrevista...

que JPV deu ontem na rádio oficial, foi absolutamente consentânea com a sua prática à frente do município. Falou, falou, falou e falou, para no fim se concluir que até agora a sua acção é um grande zero. Bem não será só um zero, serão muitos zeros, isto porque JPV confirmou ontem que a dívida actual a fornecedores é de 9 milhões de euros, quando há um ano era metade desse valor.

 

Ficámos também a saber, que esta história dos pilares era para fazer em 8 anos. E eu que pensava que o mandato tinha só 4 anos.

Agora é que eu percebo aquela história das 12 medidas urgentes, eram urgentes mas em relação ao segundo mandato, ou seja, são para implementar daqui a 4 anos. A malta é que percebeu mal. LOL!

 

Adenda: A noticia escolhida hoje para manchete da Rádio Pax, ilustra bem o que foi a entrevista. Em mais de hora de conversa o que se aproveitou foi aquilo, ou seja, as desculpas do costume.

 

publicado por bejahoje às 00:49
link do post | comentar | favorito
19 comentários:
De Mario Francês a 22 de Setembro de 2010 às 09:57
Alguém me explica o que Presidente falou. É que eu ouvi a entrevista toda e de concreto não consegui perceber nada. O homem está transformado numa picareta falante, fala, fala mas a gente não o vê a fazer nada. E as desculpas são sempre as mesmas e já vão enjoando. 1 ano, já passou quase um ano, onde é que está a mudança?
De o tirano a 22 de Setembro de 2010 às 12:32
Para Mário Francês :
As mudanças que foram implantadas na câmara foram : O fim dos contratos sem renovação, a perseguição a trabalhadores, a extinção de alguns gabinetes, que manteem as pessoas com bons ordenados sem fazer nada, mudanças de trabalhadores para meter o pessoal do TACHO (PS), cortar subsídios a associações e gastar em festas parolas do jet7 dos tesos
De Anónimo a 22 de Setembro de 2010 às 10:03
E imagine-se se a RPax tivesse um director de informação conotado a um blog anónimo, funcionários a entrarem e sair de sedes de partidos, tivessem recebido benesses da CMB durante décadas.
De carlos a 22 de Setembro de 2010 às 11:31
Mas a Rádio oficial da Câmara não é a outra que não paga renda, água e luz num edifício municipal?
De Lucio a 22 de Setembro de 2010 às 12:25
Sim, sim e paga o telefone, o telemovel, os persevativos, o combustivel, os ordenados, os cafés,e a Unidade Local de Saúde até paga os noticiários.
De Anónimo a 22 de Setembro de 2010 às 18:34
Quem desde a sua inauguração nunca pagou nada de aluguer ao proprietário ( autarquia bejense ) foi a Rádio Voz da Planície e pelo que tive conhecimento, parece que começou ou vai iniciar um pagamento mensal de 400 €, com a nova gestão PS.

A Rádio Pax é uma cooperativa só capitais privados, com mais de 25 anos de existência e equidistante dos poderes políticos !

São duas realidades empresariais completamentes diferentes nos apoios financeiros e na independência dos seus critérios informativos.

Não se pode comparar o incomparável !!!
De PPD/PSD a 22 de Setembro de 2010 às 14:22
Um grande estadista deste país (Francisco Sá Carneiro), dizia que os ministros só deveriam ter um mês para se desculpar com o governo anterior. A partir desse parazo era sua obrigação fazer, fazer, fazer.
Só se desculpa com o passado quem não tem nada para mostrar no presente, e sobretudo quem não acredita no futuro.
PPD/PSD
De Maria teresa a 22 de Setembro de 2010 às 16:41
Vai uma apostinha como amanhã temos uma noticia mais simpática para o pulido valente tirada da entrevista.
De Regina Reis a 22 de Setembro de 2010 às 17:05
Embora conheça este blog há algum tempo nunca decidi escrever porque nunca concordei com a linguagem utilizada por alguns leitores.
Aplaudo desde já a decisão do administrador do blog em travar os comentários obscenos escritos por pessoas que não sabem minimamente viver em sociedade.
Por outro lado dou desde já os parabéns ao blog pelos temas que aqui são colocados e que denunciam a gestão do actual executivo da Câmara de Beja.
Em relação à Câmara de Beja o JPV pensava que iria fazer o mesmo que em Mértola: rodear-se de pessoas incompetentes e arrogantes e ao nível da obra somente festas, festinhas e muita publicidade….enganou-se! A Câmara não tem dinheiro para esbanjar mas sobretudo porque os munícipes de Beja são diferentes dos de Mértola, não têm medo, não se calam e denunciam!
Não é de admirar a entrevista de JPV à Rádio Pax, quem não tem para dizer ou fazer esconde-se nos outros e calunia..…é próprio dos incompetentes! JPV fez e Jorge Rosa continua a fazer isso todos os dias em Mértola.
Bem haja CDU pela oposição em Beja!!!
De não me calo! a 23 de Setembro de 2010 às 13:32
isso era o que eles queriam!
É ridiculo as desculpas que o JPV dá na Rádio!
É mau o ódio que demonstra ter aos trabalhadadores comunistas.
É triste descobri-lhe a careca -LITERALMENTE EHEHEHE - que não consegue esconder as intenções, estão ali claras como água: meter tudo no olho da rua assim que possa.
É confrangedor ver que o homeme não se enxerga e pensa que é mais esperto que nós, os que o observamos.
É pena que tenham acreditado que ele se importa com Be4ja, o homem ganhou créditos no PS por ser o primeiro a derrotar a CDU e agora está á espera do prémio - ALTOS VOOS!, Ainda não chegou foi a altura...e ele está a ficar cansado de esperar, o homem que acha-se o suprasumo da inteligência e se sente rodeado de "matungos".
Não sabem o que é) Perguntem-lhe..
Tristes dos que ainda se deixam iludir...
De Anónimo a 23 de Setembro de 2010 às 22:52
Mas na entrevista o presidente Pulido Valente também atacou os trabalhadores do Município, nomeadamente os comunistas, apelidando-os de sabotadores, a resposta não tardou. Para conhecimento de todos aqui vai a resposta.

"COMUNICADO À COMUNICAÇÃO SOCIAL

Na entrevista dada pelo Presidente da Câmara Municipal de Beja à Rádio Pax no dia 21 de Setembro de 2010, sobre o balanço de mandato, foram explicitamente proferidas afirmações atentatórias ao comportamento ético-profissional dos trabalhadores do Município em geral e, particularmente, dos trabalhadores com opções políticas claras e identificadas. Assim, os trabalhadores comunistas, por se sentirem moralmente atingidos por declarações difamatórias e injustificadas, vêm, no uso dos seus direitos de cidadania, de liberdade de expressão e de organização consagrados na Constituição da República Portuguesa, esclarecer os colegas de trabalho e a população em geral do seguinte:

1 – Enquanto militantes do PCP, os trabalhadores comunistas do Município procuram ser cidadãos exemplares no seu exercício profissional cumprindo os seus deveres de prestadores de serviços em benefício das populações do Concelho, independentemente das opções políticas dos executivos municipais, na medida em que estes cumpram o quadro de atribuições e competências que cabem aos municípios;

2 – Entre os militantes comunistas nunca houve uma recusa no exercício das suas funções, nem qualquer processo disciplinar que confirme a falta de zelo e, muito menos, que indicie práticas que presumam posturas sabotadoras, como foi insinuado nas declarações do Presidente. Mais, no uso do direito de livre associação, em reuniões do colectivo partidário, sempre a postura militante foi de apelo a um desempenho profissional que melhor sirva os interesses da comunidade, considerando-se o espírito de missão sempre a base comportamental a ter no trabalho a prestar, enquanto trabalhadores do Município;

3 – Para o cumprimento de objectivos traçados pelos executivos todos os trabalhadores são fundamentais e necessários. Para valorizar a verdade e não se dar azo a especulações, é importante referir que neste executivo e nos anteriores, nas chefias de topo (directores de departamento e chefes de divisão) não havia nem há militantes do PCP. Neste contexto, sempre a organização dos comunistas no Município, no passado e no presente, teve e tem como orientações respeitar as pessoas e aceitá-las enquanto dirigentes, cumprindo zelosamente as suas orientações, independentemente das respectivas opções políticas. Em resultado, nunca em tempo algum se registaram conflitos de interesses por razões políticas;

4 – As declarações proferidas indiciam desrespeito e falta de consideração para com todos os trabalhadores do Município, ao deixarem implícita a ideia de todos serem autómatos e seres não pensantes, que se deixam influenciar facilmente por ideias conspirativas. É lamentável e de uma profunda injustiça que os trabalhadores do Município sejam vistos pelo Presidente como meras marionetas manipuláveis sem vontade e desprovidos de qualquer consciência de cidadania;

5 – Face ao exposto, fica a perplexidade e indignação dos militantes comunistas perante as declarações proferidas, cabendo-nos, como pessoas e no exercício pleno de cidadania, julgar e interpretar estas palavras como o prenúncio de uma perseguição que o executivo chefiado por Jorge Pulido Valente pode estar a preparar contra os trabalhadores comunistas do Município, lançando publicamente campanhas difamatórias e falsas, com o objectivo de ir influenciando a opinião pública local para preparar terreno e melhor justificar essas perseguições, que podem inclusivamente culminar com o despedimento ao abrigo das novas regras de avaliação de desempenho dos trabalhadores;

6 – Perante este possível cenário, os trabalhadores comunistas vêm afirmar publicamente que não se deixarão intimidar por ameaças ou chantagens e, muito menos, deixarem de exercer os seus direitos de cidadania, em defesa dos direitos dos trabalhadores do Município e de um serviço público que deva estar subordinado aos interesses das populações e do desenvolvimento do Concelho.

Beja, 22 de Setembro de 2010
A organização do PCP dos trabalhadores da Câmara Municipal de Beja"
De Regina Reis a 24 de Setembro de 2010 às 10:53
Tal como referi anteriormente esse sr. (JPV) pensava que Beja era igual a Mértola, enganou-se!! A prepotência e a arrogância também existiram em Mértola acontece que em Beja os trabalhadores da Câmara não o permitem ao contrário de Mértola que o medo imperou na altura e continua com Jorge Rosa! Força aos trabalhadores Comunistas da Câmara de Beja e mostrem a esse sr. com inteligência a vossa competência.
De Anónimo a 24 de Setembro de 2010 às 12:13
O comunicado hoje tornado público pela Organização dos Trabalhadores Comunistas da Câmara Municipal de Beja constitui uma peça admirável de cinismo político, ao mesmo tempo que esclarece a opinião pública sobre a clara incapacidade do PCP em digerir a derrota sofrida nas últimas eleições autárquicas. Sendo totalmente claro, o comunicado em questão torna evidente a razão que assiste ao responsável do executivo municipal ao falar de "obstrução organizada" dentro da CMB. Não está nem poderia estar em causa o direito que assiste a qualquer cidadão de se organizar política e/ou partidariamente, mesmo no seu local de trabalho. O que é forçoso que esteja em causa é a incapacidade de alguns trabalhadores perceberem a diferença entre militância partidária e falta de profissionalismo. Ao levantar fantasmas serôdios como o da perseguição político-partidária aos trabalhadores comunistas por parte do Executivo, a Organização Comunista apenas pretende que o executivo estenda a outra face para que, calmamente, possa continuar a agressão. Haja, pelo menos, alguma decência no combate político.
O Secretariado da Comissão Política dConcelhoae Beja do Partido Socialista
De Regina Reis a 24 de Setembro de 2010 às 14:16
Caro anónimo,
O Presidente da CMB foi eleito para gerir a Câmara em todas as vertentes e portanto se existe "falta de profissionalismo de alguns funcionários" como vossa Exª refere, esse assunto tem de ser tratado internamente pelas vias legais. Se não existe nada a apontar profissionalmente aos funcionários e somente o que foi referido na entrevista, JPV deve calar-se e fazer o seu trabalho de forma competente e profissional pois foi para isso que foi eleito. Ao fim de quase um ano de mandato pelos vistos ainda não fez nada, somente desculpar-se com a situação financeira da câmara e umas tantas festas para serem notícia em revistas cor de rosa.
JPV devia era meter mãos à obra e falar menos pois as suas declarações só irritam as pessoas, mesmo aquelas que acreditaram nele e apresentar obra senão corre o risco de ser apelidado de papagaio que fala fala e nada diz!
De Patientia a 25 de Setembro de 2010 às 00:26
Obrigado ao comentador anónimo em ter colocado o comunicado do PS, se pensou que o mesmo iria contribuir para valorizar a posição política do Presidente Pulido Valente, ou tirar dividendos políticos com o comunicado da Comissão Concelhia do PS, enganou-se redondamente. Aliás, apelo aos leitores deste blogue a compararem o conteúdo e o teor dos dois comunicados. O comunicado dos intitulados trabalhadores comunistas tem um teor pouco político e mais factual e é caso para referir os ditados populares "Quem cala consente" e "Quem não se sente não é filho de boa gente". O comunicado dos comunistas da câmara é elevado no conteúdo e elegante na forma, não é especulativo e procura com rigor defender a sua posição de trabalhadores da autarquia, valorizando esse estatuto e afastando qual tentação especulativa de ordem política. Francamente apreciei, pela defesa da sua honra, direito legítimo em democracia. Quanto ao comunicado do PS, em resposta ao comunicado dos trabalhadores comunistas da câmara, apesar de ter sido uma resposta, revela o preconceito anti-comunista e anti-laboral ao utilizar uma forma de argumentação especulativa e insidiosa, na medida em que presume delito, sem que haja nem sequer uma repreensão oral ou escrita por parte das chefias do Município relativamente ao boicote que é admitido pelo redactores do comunicado. Mais, admitem a possibilidade de existência de fundamentos para justificar as suspeições manifestadas pelos comunistas da Câmara, porque adjectivam os fantasmas de serôdios, é caso para dizer "não acredito em bruxas, mas que as há... há", ou seja têm intenções de perseguir os comunas. É lamentável que a resposta da Concelhia do PS, não tivesse sido dada em função das declarações prestadas pelo representante da Comissão Concelhia do PCP, essa sim um ataque feroz à politica do Executivo PS de nada ter feito desde as eleições, mas sempre arranjando bodes expiatórios para encobrir as suas insuficiências. Eu esperava que o comunicado do PS fosse para pôr ordem nas declarações políticas referidas. Por último, gostaria de dizer que estou perplexo com o facto dos trabalhadores comunistas não desempenhando funções de chefia de departamentos e de divisões no Município, quando o Pulido Valente em campanha disse que a câmara estava armadilhada. Mais, que raio de sabotagem é que os comunistas podem fazer se nem sequer desempenham cargos de chefia na Câmara. As declarações do Pulido Valente e a sua confirmação por parte da concelhia do PS são ridículas, desprovidas de coerência, bom senso e maliciosas, pois pretendem enganar o pessoal do Concelho. O único conselho que dou a esses senhores é que tenham juízo e portem-se com decência democrática, sem especulações nem demagogias.
De Anónimo a 25 de Setembro de 2010 às 01:07
É espantoso o carácter fascisante do conteúdo do comunicado do PS e das declarações do Pulido Valente, quando afirmam "o comunicado em questão (dos trabalhadores comunistas) torna evidente a razão que assiste ao responsável do executivo municipal ao falar de "obstrução organizada" dentro da CMB", porque transpõe para a esfera política questões do fórum laboral, que devem ser tratados exclusivamente nessa condição. Quem levantam fantasmas, não são os trabalhadores comunistas, mas os autores do comunicado do PS. Por isso, a especulação é evidente. A questão é simples, se há provas de obstrução colectiva, então os dirigentes devem agir em conformidade com processos disciplinares que envolvam os trabalhadores referenciados. Mas, é claro que o objectivo é bem diferente, resume-se à tentativa de dar maior expressão à caça às bruxas e à intimidação dos trabalhadores. Ora bem, o 25 de Abril justificou-se para que a liberdade fosse efectiva, portanto se os trabalhadores fazem greve ou participam legalmente em manifestações, têm esse direito. Considerar essas posturas de "obstrução organizada" é uma atitude fascisante, assim como o é a postura de alguns elementos do executivo e do seu staff técnico pousarem colectivamente à porta da Câmara para intimidarem os trabalhadores a não fazerem greve ou a não participarem em plenários sindicais. Estes são apenas os exemplos visíveis de uma gestão intimativa, porque o que se passa nos bastidores é indescritível.
De LOLOLOL a 24 de Setembro de 2010 às 21:50
Será que alguém consegue explicar a JPV que a campanha eleitoral já terminou e que ele foi eleito presidente da C M de Beja???

É que a avaliar pelas declarações parece que ainda anda em campanha.
O sr. é presidente da CMB, honre por favor esse cargo e se tiver que lavar a roupa suja faça-o entre portas ou pelos meios legais que tem à disposição.

Palhaçada!
De Anónimo a 25 de Setembro de 2010 às 22:56
Ouvi dizer que o Pulido foi passaer a um país estrangeiro(Turquia??).
Não perde tempo o homem. Depois de ir a Londres "observar de perto a experiência da capital londrina em matéria de ordenamento do tráfego", eis que aí vai o homem a caminho da bela e sempre exótica Turquia.
Alice no País das Maravilhas

Nota: De facto Londres, é, em todos os aspectos, o melhor exemplo (sobretudo em termos de escala) para o Sr. Presidente comparar com Beja!!!

Comentar post

»Contacto

bejahoje@sapo.pt

»mais sobre mim

»pesquisar

»Agosto 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

»posts recentes

» Regresso para breve, ou t...

» A Piscina de Beja

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Enxurrada em Beja...

» Beja Capital das contas c...

» Porque o dia 5 de Junho e...

»arquivos

» Agosto 2011

» Junho 2011

» Maio 2011

» Abril 2011

» Março 2011

» Fevereiro 2011

» Janeiro 2011

» Dezembro 2010

» Novembro 2010

» Outubro 2010

» Setembro 2010

» Agosto 2010

» Julho 2010

» Junho 2010

» Maio 2010

» Abril 2010

» Março 2010

» Fevereiro 2010

» Janeiro 2010

blogs SAPO

»subscrever feeds