Terça-feira, 6 de Julho de 2010

A Festa…

Não fui à festa do vinho no castelo.

Este facto permite duas leituras, uma: não tendo ido não tenho legitimidade para opinar sobre ela, outra: não tendo ido tenho a possibilidade de fazer uma leitura da mesma pelos reflexos que a mesma produziu.

Vou pela segunda.

E a minha leitura é: A festa foi um fracasso.

Calma, não estou a dizer que o espaço foi mal escolhido ou decorado, que não estiveram as 1500 pessoas que a organização diz que estiveram, que as pessoas que lá foram não se divertiram muito, nada disso, até aceito que tenha sido tudo o contrário.

A questão é outra. Importa ter presente que a entidade organizadora da mesma, a apresentou como instrumento de uma estratégia de Marketing Territorial. E se assim foi, então tenho que concluir que os objectivos não foram atingidos.

Se não vejamos, uma das vertentes que era apontada, passava por trazer a esta festa potenciais investidores e nomes sonantes do panorama nacional. Se cá estiveram passaram completamente ao lado de todas as referências.

A outra era criar impacto e que o mesmo se traduzisse em notoriedade de Beja na Comunicação Social nacional. E aqui mais uma vez teremos todos de concordar que a mesma foi praticamente nula.

Então a pergunta que se pode pôr é: Onde está o mega-sucesso da festa?

Dir-me-ão, as pessoas que lá foram gostaram. Acredito, mas era esse o principal objectivo?

Claro que não.

Então porque tanta quase histeria em torno do anunciado sucesso da iniciativa?

Em minha opinião, a mesma só pode ter explicação à luz de uma desesperada necessidade deste executivo municipal dar sinais positivos da sua governação. E só assim se entende o esforço financeiro feito, numa altura em que o discurso oficial é: Não há dinheiro!

Tenha-se em conta que o mesmo leva quase nove meses de exercício de mandato e não conseguiu implementar uma dinâmica, que naturalmente era expectável por aqueles que os elegeram. Daí, que esta festa seja tão efusivamente comemorada pelos carentes de iniciativa própria da autarquia.

Se a coisa correu tão bem, nesta vertente mais lúdica da iniciativa, quem sabe se não está descoberta a verdadeira vocação deste executivo. Ou de parte dele.

 

 

Sobre os custos da Festa penso não ser para esta análise importante, há (do verbo haver claro) no entanto uma certeza, a Câmara vai pagar à empresa que organizou todo o evento qualquer coisa como 90.000€ este é de certeza o valor que vai sair dos cofres (os tais que estão vazios) da autarquia. O valor que vai entrar por eventuais patrocínios e comparticipação de fundos comunitários está por se ver. Claro que a Câmara pode sempre, quando os mesmos derem entrada na autarquia, publicar cópia dos cheques ou das transferências bancárias.

publicado por bejahoje às 07:02
link do post | comentar | favorito
17 comentários:
De anonimo a 6 de Julho de 2010 às 12:06
Por vezes à análises que é melhor não fazer; mas há outras análises mais pertinentes...
De ÁLCOOL EM CIMA DA FERIDA a 6 de Julho de 2010 às 16:19
Não a festa realmente nada teve de importante, sim não se esqueçam que isto não é nem a FESTA ALENTEJANA nem tão pouco a vinda do camarada Jerónimo a uma qualquer terra, essas sim são festas e sabem porquê? Não, claro que não sabem! Quem são os camaradas amigos dos trabalhadores, dos oprimidos e de todos os que menos têm e que só para os ajudar organizam belas excursões e lá vem o pobre do pensionista (que eles tanto defendem) pagar 5 ou 10 euros por uma viagem de camioneta e por um belo almoço “cozido de grão” ou “feijoada” ainda por cima lá abalam os pobres homens e mulheres, que trabalharam uma vida inteira, estafados, roucos de gritar e alguns deles zonzos das tacinhas de vinho, mas estes ainda são pessoas reais que pensam que alguém os defendem e sofreram; agora estes amigos dos blogues que criticam tudo o que não dão eles para estarem no poder e como gostariam eles de organizar esta BELA FESTA – BEJA WINE NIGHT – como gostariam de fazer mais um outdoor com BEJA A CRESCER – BEJA WINE NIGTH – e as fotos de todos no boletim municipal e, claro o povo a pagar.
POIS REALMENTE NÃO VALE A PENA FALAR DE BEJA WINE NIGHT , como é que esta nova geração comuna iria entender uma festa de qualidade, feita com gosto e com requinte … eles gostam de ir, gostam de frequentar mas acima de tudo gostam de dizer mal!!!

vá mais álcool, cada vez a dor é maior
De LUIS a 6 de Julho de 2010 às 17:00
Aplausos! Boa critica.
De Anónimo a 6 de Julho de 2010 às 17:55
A Festa...
Vamos falar de factos:
1 - Estive lá. Reconheço que o Castelo estava bonito, e o ambiente que se gerou até foi agradável.
2- No tocante aos anunciados objectivos da festa, é evidente que não se cumpriram. Basta ver a repercusão praticamente nula que o evento teve na comunicação social, e que de certo é o espelho das mais valias reais que o evento trouxe, ou poderia trazer, para a economia da região.
3 - É evidente que a iniciativa tem que se compreender á luz da mudança política que se verificou a nível local, e onde um novo tipo de pessoas, com aspirações a terem algum protagonismo nas páginas locais côr de rosa, num duplo sentido do termo, que estão ávidas de fazerem sentir a sua existência, porque de uma forma gerla, e salvo raras excepções, não fizeram, não fazem e nunca farão nada que seja digno de registo;
4 - Conheço o actual Presidente da Câmara. Este tipo de iniciativas, serão a sua coqueluche nos próximos tempos. Não dão em nada. Não resolvem nada. Não perspectivam nada. Mas, reconheço, são diferentes. E as pessoas gostam, tenho que o assumir. Em particualar aqueles candidatos a um jet set saloio que vive angustiado em todas as cidadezecas do interior.
Águia Real do Jet Set saloio
De José Silva a 6 de Julho de 2010 às 22:35
A resposta ao seu comentário levar-nos-ia a considerações que seguramente para si são impertinentes, mas de qualquer aí vão alguns argumentos. As pessoas que vão às festas ou às iniciativas partidárias fazem-no por militância e por motivos ideológicos. Acha estranho, é natural porque os senhores não têm qualquer ideologia e muito menos para se intitularem de socialistas, quanto muito são sociais-democratas e já é um favor. Segundo, os militantes ou simpatizantes do PCP, não são nem Varas de bancos nem administradores a ganharem milhões, sem qualquer mérito, por isso são pessoas de facto humildes, e por isso mesmo, mais dignas do que muitos que desprestigiam a política e a classe política, contribuindo para um processo de falência da democracia, que infelizmente começa a ser evidente por essa Europa fora. Terceiro, é puro complexo social a forma como se refere ao povo humilde, por isso, cada vez tenho menos dúvidas que, tanto o PS como o PSD estão-se borrifando para a forma sacrificada como o povo vive. Apoiam os banqueiros com o o dinheiro de todos nós, em defesa dos interesses de meia dúzia, enquanto o mundo do trabalho é relegado para segundo plano. Aliás, fiscalizam os trocos de IRS dos trabalhadores, e ai deles se se enganam no preenchimento dos formulários, mas não fiscalizam empresas e deixam passar o tempo para a obtenção de perdões fiscais. Meu caro ou minha cara, este governo está a transformar o País num pesadelo, ainda por cima não querem que o pessoal acorde. Mas garanto-lhe, pode não ser no meu tempo, mas o povão um dia acordará assim como acordou da longa noite fascistas.
De a 6 de Julho de 2010 às 19:00
Este blogue está cada vez melhor.
Uma análise séria e lucida do tema de conversas da ultima semana, tanta conversa para nada. De facto não se ouviu uma linha nas tvs e já se sabe que, se não apssa na TV não existe.
A projecção de Beja foi nula, a projecção dos parolos e parolinhas com aspiração a jet7 pode ter sido melhorzinha. Ao menos mostraram-se uns aos outros.
Se é o que aí vem resta-nos esperar, é que o povo não vai achar piada a festas chiques onde não pode entrar. A ver se lá para o ultimo ano poem os velhotes num avião para ver se se safam.
De Anónimo a 6 de Julho de 2010 às 19:14
Oh Justino, quase que rebentas de tanta raiva ...

Nunca mais poem o rego do cu nas cadeiras da Camara essa é que essa.

ACABARAM 36 ANOS DE MAMA ROUBALHEIRA E RETROCESSO
De Tratado anti-justino a 6 de Julho de 2010 às 22:48
Justino, miguel, antónio , carla ou outra bloguista qualquer, não acham que chegou o tempo de censurarem a malcriadice deste blogue. Retirem os comentários indignos que revelam fraqueza de inteligência e incapacidade argumentativa. Deixem pousar quem argumente de forma correcta, independentemente das ideias em causa. O contraditório é importante, mas nunca o preço a pagar tem que ser tão baixo e reles. É evidente que deixá-los comentar da forma como o fazem só é desprestigiante para eles, no entanto é desagradável para quem não quer perder tempo com asneirada grosseira. Fica a recomendação.
De Ego sum qui sum a 6 de Julho de 2010 às 23:59
Censurar, não. Moderar, sim!
Estou de acordo e este blogue terá muito a ganhar! Querem mandar bocas? Vão postar pró praça de república e aliem a alarveirice às tipas nuas que inspiram as noites de frustração do bloguer!
De Anónimo a 7 de Julho de 2010 às 00:00
Censura, camarada? Como no tempo da escravidão e do faxismo? Francamente ...

Rsrsrsrsrrs

De Tratado anti-justino a 9 de Julho de 2010 às 00:51
Reafirmo censura é a palavra correcta, embora seja uma palavra conotada com autoritarismo e repressão. A questão fundamental reporta-se ao contexto de exercício da liberdade, tomando como máxima que "a minha liberdade deve acabar quando conflitua com a liberdade do outro", levando-nos este princípio ao respeito pela liberdade do próximo. Assim, é devido respeito e consideração pelo semelhante. A agressão verborreica é uma forma de conflito que agride a liberdade do próximo. Esta a razão de censura, na medida em que proponho a retirada desses escabrosos comentários. A mediação já foi feita, pois são inúmeros os comentários que se pronunciaram contra as malcriadices e o abuso inerente aos conteúdos sistemáticos de textos, que são normalmente das mesmas personagens. Com isto quero dizer que já não há mediação possível, para quem com regularidade usa e abusa de termos incorrectos.
De Anónimo a 7 de Julho de 2010 às 00:03
Não! Nas cadeiras não! Hão-de comprar sofás e pedir por favor! Um género de «Adérito, volta filho, que estás perdoado!»
De RIP a 7 de Julho de 2010 às 00:56
Este blogue tem os dias contados



De Geronim Stilton a 7 de Julho de 2010 às 16:40
Concordo com o que diz, que não tiveram cá potenciais investidores, nem a comunicação social esperada, a não ser um funcionário do Makunga da Foto Star, mas sabe um coisa? É necessário começar a inovar, criar novos caminhos, criar condições para que essas pessoas cá venham... Isto é o contrario daquilo que o Sr. e o seu partido fizeram ao longo de anos... Fecharam as portas a iniciativas como esta para que Beja nunca seja divulgada, para que os comunas pudessem governar eternamente sem serem impurtunados, e encheraem-se de dinheiro como fizeram até Out de 2009! Mesmo assim lixaram-se!
De LUIS a 7 de Julho de 2010 às 17:06
Vejam o coreeio da manha de hoje!!!
De Karla Marx a 7 de Julho de 2010 às 18:59
Wine Night, a feira das vaidades ou a festa das aparências bejenses

Sobre esta festa, meus amigos, de que tanto se fala... Digo-vos com toda a sinceridade, com todas as forças do meu ser:
- Nem que me pagassem, ainda por cima, vinte e cinco Euros, eu punha lá os meus pés!
Este tipo de iniciativa não me cativa, nem um bocadinho! Mas ainda acho graça às poses que adoptam, às posturas "vogue" e aos sorrisinhos de "cucharro velho" que esboçam para a fotografia.

Dou o meu dinheiro, com todo o gosto, para ir às "Festas Alentejanas", às "Festas do Avante" para conviver com o povo, com as pessoas autênticas, para presenciar, participar na alegria dos verdadeiros seres humanos. Pago para ver o meu Jerónimo, um homem verdadeiramente jeitoso - e é ver a mulherada toda a correr para ele nas manifestações! Eu também lá estou sempre, a azafama para ver se consigo resgatar o beijinho a que tenho direito! Nem que o Rudolfo Pulido e Valentino se pintasse de ouro, como aquela moça do Goldfinger chegava aos calcanhares do meu Sousa (nem que envergasse armani... fatito).
Para conviver com pessoinhas feitas de plástico deixo-me estar na minha casinha, com as minhas ricas pantufinhas calçadas (que sensação tão boa!).
Oxalá apareçam na Caras, na Lux e o diabo a quatro, para me distrair um bocadinho, a ver as figurinhas das "aparências" bejenses.
É uma pena que ainda não tenham conseguido captar o verdadeiro sentido da vida, a essência do/de ser humano. Entregaram-se aos prazeres imediatos proporcionados pelo simples envergar do fatinho "Doce Cabana", do armani, do vestidinho da El Futuro, do trapito vistoso da Fatinha Lopes.
Sejam felizes à vossa maneira mas não me perturbem o bicho do ouvido a quem anda por aí a lutar pela vida, a tentar construir um mundo melhor.
De AdOR a 9 de Julho de 2010 às 11:39
Já leu "O Capital", ou o seu voto é porque era a tradição lá de casa? Se sim, já deve ter verificado como anda desactualizada, se não, vá ler para saber no que vota.

Comentar post

»Contacto

bejahoje@sapo.pt

»mais sobre mim

»pesquisar

»Agosto 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

»posts recentes

» Regresso para breve, ou t...

» A Piscina de Beja

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Enxurrada em Beja...

» Beja Capital das contas c...

» Porque o dia 5 de Junho e...

»arquivos

» Agosto 2011

» Junho 2011

» Maio 2011

» Abril 2011

» Março 2011

» Fevereiro 2011

» Janeiro 2011

» Dezembro 2010

» Novembro 2010

» Outubro 2010

» Setembro 2010

» Agosto 2010

» Julho 2010

» Junho 2010

» Maio 2010

» Abril 2010

» Março 2010

» Fevereiro 2010

» Janeiro 2010

blogs SAPO

»subscrever feeds