Domingo, 31 de Janeiro de 2010

Numa cidade capital...

 

Numa cidade capital, seria inconcebível que uma das suas principais vias de acesso estivesse meses cortada ao trânsito.
Numa cidade capital, seria intolerável que uma obra pública prejudicasse durante 2 meses consecutivos um grupo de empresas e de empresários, bem como moradores de um dos seus bairros.
Numa cidade capital, seria impensável que a autarquia não interviesse de forma enérgica junto da empresa responsável pela execução da obra para que mesma rapidamente ultrapassasse a situação.
Mas infelizmente para os bejenses, o governo da cidade, tarda em tomar posse e em abandonar o discurso de campanha eleitoral.
Vamos esperando…Ao menos pela abertura ao trânsito da Rua Afonso III.

 

publicado por bejahoje às 20:04
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2010

António Raposo Tavares (O Bandeirante) 1598 – 1658

 

Para muitos bejenses o Bandeirante é apenas uma estátua no largo da rodoviária, mas este ilustre bejense é sem duvida uma das figuras de proa da nossa cidade e um dos nomes grandes na história do Brasil.
 
Responsável pela expansão das fronteiras brasileiras, ao deter o avanço dos espanhóis; também desempenha papel importante no combate aos invasores holandeses no Nordeste Brasileiro. António Raposo Tavares nasceu em Beja em 1598. Em 1618 vai para o Brasil com o pai, Fernão Vieira Tavares, governador da capitania de São Vicente.
Em 1622 fixa-se em São Paulo, de onde parte a sua primeira bandeira cinco anos mais tarde. Ela chega a Guaíra, no Rio Grande do Sul, expulsa os jesuítas espanhóis e amplia as fronteiras do Brasil. De volta a São Paulo, em 1633 Raposo Tavares torna-se juiz ordinário, cargo de que desiste no mesmo ano para ser ouvidor da capitania de São Vicente.
Três anos depois parte para outra expedição, agora para expulsar jesuítas espanhóis da localidade de Tapes, também no Rio Grande do Sul. De 1639 a 1642 integra as forças que lutam contra os holandeses, combatendo na Bahia e em Pernambuco.
A sua última expedição parte de São Paulo em 1648, em busca de prata, e dura três anos, percorrendo um total de 10 mil quilômetros em direcção ao norte. Atravessa a floresta Amazónica e alcança Gurupá, no Pará, com a tropa reduzida a 59 brancos e alguns índios.
Morreu em São Paulo no ano de 1658,
Em 1966, a comunidade da Colónia Lusa-Brasileira de São Paulo ofereceu à cidade de Beja a estátua do Bandeirante, que se encontra no Largo com o nome do ilustre bejense António Raposo Tavares.

 

publicado por bejahoje às 23:54
link do post | comentar | favorito

Ainda os casamentos...

 

 

Num dos post aqui publicados, a propósito do OE 2010, fiz uma analogia entre acordos de viabilização politica e “casamentos políticos”. Penso que terei sido claro, ao afirmar-me contrário a “uniões contra natura”, referindo-me naturalmente aos “casamentos políticos”, porque em relação aos outros casamentos sou até bastante liberal.
Como prova disso, aqui deixo fotografias de um bonito casamento, efusivamente celebrado em Beja, na noite de 11 de Outubro de 2009.
Os esponsais, caso não tenham conseguido identificar são, Jorge Pulido Valente e Pires dos Reis. O local, porta da sede de campanha de JPV e a hora, poucos minutos depois do anúncio da chegada a Beja da democracia.

 

publicado por bejahoje às 07:16
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

PIDDAC ao fundo

 

Entre 2005 e 2009, as verbas para investimento público no distrito de Beja constantes do PIDDAC, diminuíram 46,9%.
Agora de 2009 para 2010 baixam 93,8%, passando de 72 milhões de euros, para 4 milhões e pouco de euros.
Ou muito me engano ou esta questão vista pelos olhos de Luís Ameixa, vem aí outro “ano de ouro” para o distrito.
Só por curiosidade, Almodôvar tem inscrito no PIDDAC 300 euros, eu repito 300 euros, isto não será dinheiro a mais? Estes 300 euros não ficarão a fazer falta em Lisboa? Vejam lá bem, não arranjem problemas ao Ministro das Finanças.
Nota: Coloquei foto do Luís Pita Ameixa porque não encontrei uma imagem com um gráfico a cair tão a pique.

 

publicado por bejahoje às 15:43
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

Um grande zero

 

Um grande zero é o que o Governo reserva em matéria de actualização salarial para os funcionários públicos em 2010.
Seria simpático para muitos, principalmente os que não são funcionários públicos, escrever aqui a dizer que: Faz bem o Governo, é preciso reduzir o défice, os servidores do estado são uns privilegiados, uns malandros, etc, etc.
Para outros ainda, principalmente os funcionários públicos e não só, a vontade de dizer que: Não é justo que sejam sempre os trabalhadores do estado a pagar o défice e o que lhe prometeram recentemente não tinha no horizonte estas nuvens negras.
A mim, o que me apetece dizer é que é muito bem feito, votaram neles agora aturem-nos.
Mas infelizmente, houve muitos que não votaram neles e que são vítimas das suas políticas.
publicado por bejahoje às 06:48
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010

Bajulice pura

 

 

Na tarde de ontem o Vereador Miguel Góis da Câmara Municipal de Beja, participava num programa da Rádio Pax  para falar da Vinipax, no programa  pelo que percebi, participam uma espécie de comentadores residentes , um deles que não consegui identificar , verberava com grande entusiasmo, diria mesmo uma excitação que roçava a bajulice, sobre uma intervenção, de um alcance inusitado, por parte do actual executivo, tratava-se nem mais nem menos de uma alteração a um sinal de trânsito na Rua Luís de Camões em Beja. O comentador instigava mesmo o Vereador a fazer pública divulgação do feito.

Não me parece mal, na falta de melhor, inaugure-se um sinalzinho de trânsito.

 

publicado por bejahoje às 07:44
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

Procuram-se

 

 

Responsáveis por isto

publicado por bejahoje às 10:11
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Curtas

 

Na Câmara da Vidigueira, o Presidente, os Vereadores e os membros dos seus gabinetes, acordaram em reduzir os seus salários, em cerca de 10%, e aumentaram de forma significativa os salários mais baixos dos trabalhadores do Município.
Algo me diz que esta é uma medida que não vai ter muitos seguidores.
  •  
  •  

O Jornal Folha de S. Paulo dá conta que a empresa brasileira Camargo Correia, que pretende comprar a Cimpor, terá alegadamente pago 1,2 milhões de Euros a partidos políticos no Estado do Paraná.
Ou muito me engano ou o negócio em Portugal da compra da cimenteira deve estar muito bem encaminhado.
  •  
  •  

Em entrevista ao Expresso a Ministra do Trabalho, Helena André, afirmou “Estou mais optimista desde que cheguei ao Governo”
Vale a pena perguntar se este optimismo se deve a alguma redução (que ninguém conhece) do número de desempregados ou simplesmente porque a senhora chegou a Ministra.

 

publicado por bejahoje às 07:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2010

Num mundo (quase) perfeito…

 

Jorge Pulido Valente convidaria Miguel Ramalho para explicar os projectos da Mobilidade Eléctrica e da Remodelação da Rede de Águas e Pluviais de Beringel, isto para manter coerência com o que exigiu ao Vereador da CDU, quando remeteu para este, explicações sobre outros actos da gestão anterior.
publicado por bejahoje às 08:33
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sábado, 23 de Janeiro de 2010

Carlos Montes - Pintor 1931-1974

 

 

A 16 de Janeiro de 1974, Beja perdia um dos seus mais ilustres Artistas:

Carlos Montes

Carlos Montes dos Anjos, operário da construção civil, Pintor e Escultor autodidata, iniciou-se aos 19 anos no desenho a carvão e a ceras. Com profundas influências dos movimentos Neo –realista e Surrealista , embora nunca se tenha fixado em nenhuma corrente, Carlos Montes experimentou e desenvolveu diversas técnicas e conceitos estéticos que o levaram a produzir compulsivamente, durante muito tempo após duros dias de trabalho na construção civil, no seu atelier a que deu o nome de "A Barraca",  mais de 200 telas  e muitas esculturas, neste espaço da Rua da Branca em Beja funciona agora o Café Colmeia.
Homem marcado e revoltado pelo clima de extrema desigualdade e injustiça social vigente, comprometido na luta contra a ditadura, transpôs para o seu processo criativo muito desse sentimento de inconformismo.
Aos 43 anos partiu e deixou a cidade mais pobre.
A Câmara de Beja prestou-lhe homenagem, em Setembro de 1988, com uma exposição retrospectiva da sua obra na Galeria dos Escudeiros.
 
Conheça mais em :http://carlos-montes.blogspot.com/

 

publicado por bejahoje às 07:18
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

»Contacto

bejahoje@sapo.pt

»mais sobre mim

»pesquisar

»Agosto 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

»posts recentes

» Regresso para breve, ou t...

» A Piscina de Beja

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Coisas que se resolveram*...

» Enxurrada em Beja...

» Beja Capital das contas c...

» Porque o dia 5 de Junho e...

»arquivos

» Agosto 2011

» Junho 2011

» Maio 2011

» Abril 2011

» Março 2011

» Fevereiro 2011

» Janeiro 2011

» Dezembro 2010

» Novembro 2010

» Outubro 2010

» Setembro 2010

» Agosto 2010

» Julho 2010

» Junho 2010

» Maio 2010

» Abril 2010

» Março 2010

» Fevereiro 2010

» Janeiro 2010

blogs SAPO

»subscrever feeds